Com apoio de edital da AMNB, Grupo Malunga realiza atividades de organização institucional e cuidado coletivo ancestral

As atividades integram as ações do projeto “Malungas reflorescendo para o autocuidado e cuidado coletivo ancestral”, contemplado no Eixo  – Autocuidado Institucional do Edital

O Grupo de Mulheres Negras Malunga é uma organização da sociedade civil, feminista, sem fins lucrativos, fundada 1995, na cidade de Goiânia (GO). Com 26 anos de história, o grupo é uma das entidades que fundaram a Articulação de Mulheres Negras Brasileiras (AMNB) no ano 2000. 

Através de oficinas, rodas de conversas, lives, seminários, capacitações e outras atividades, a Malunga atua no combate ao racismo e sexismo e busca a promoção da saúde, sob a perspectiva de gênero e raça.

Com o apoio da AMNB, através do Edital de Fortalecimento Interno, o grupo tem desenvolvido o projeto Malungas reflorescendo para o autocuidado e cuidado coletivo ancestral, que tem como objetivos: planejar a organização institucional estratégica da Malunga para os próximos dois anos; realizar atividades de autocuidado e cuidado coletivo baseado em conhecimentos ancestrais; integrar as novas participantes com as veteranas; realizar atividade de cuidado coletivo aberto para outras mulheres da comunidade, prioritariamente mulheres quilombolas e periféricas.

“O autocuidado é um ato de amor e resistência. É também  uma forma de resgatar a beleza ancestral, auxiliar no fortalecimento e crescimento, bem como promover o  bem estar e saúde mental das mulheres negras ativistas integrantes do grupo e mulheres periféricas acolhidas pelo projeto, que são duramente atingidas pelos estereótipos racistas”, explica Sônia Cleide Ferreira, ativista responsável pelo projeto. 

Com os recursos provenientes do Edital, a organização já realizou oficinas de elaboração de projetos, encontros para a elaboração do plano de ação institucional e oficinas focadas no autocuidado e cuidado coletivo das ativistas. O projeto prevê ainda oficinas para o público externo sobre colorismo e saúde da mulher, além do Encontro com Mulheres Negras em Movimento, em Goiânia.

“A AMNB tem ajudado nesse processo de construção coletiva inter-geracional e motivacional entre as participantes do projeto, facilitando os processos de renovação e adaptação do grupo no mundo pós-pandemia, através da retomada dos encontros presenciais. Estamos dando um passo para dentro para nos fortalecer e um passo para fora, através da construção do diálogo e construção de redes de fortalecimento mulheres“, conclui Sônia Cleide.

Acompanhe as ações do Grupo de Mulheres Negras Malunga pelo Instagram @grupo.malunga.

Compartilhe essa notícia:

Deixar uma resposta