CARTA ABERTA: Por respeito, justiça e apoio ao Terreiro das Salinas (São José da Coroa Grande – PE)

A Articulação das Organizações de Mulheres Negras Brasileiras (AMNB) e o Odara- Instituto da Mulher Negra se solidarizam em apoio ao Ilê Axé Ayabá Omi, conhecido como Terreiro das Salinas, localizado no município de São José da Coroa Grande, litoral sul de Pernambuco. O ilê foi criminosamente queimado e teve grande parte de seu território sagrado destruído no dia 1º de janeiro.

Toda a estrutura do terreiro foi comprometida pelo incêndio, inclusive a parte elétrica e hidráulica do local. Por isso, agora precisamos unir forças e colaborar para o fortalecimento e reparo do espaço desta comunidade religiosa.

Os terreiros de candomblé e umbanda, e todas as casas de religiões de matriz africana em geral, são espaços de culto e cuidado ancestral da população negra, que historicamente são criminalizados e atacados pelo racismo religioso. 

O caso do Terreiro das Salinas não é isolado. Nos últimos anos tem crescido em todo país os ataques aos templos religiosos de matriz africana em decorrência do ódio produzido pelo racismo religioso e pelo avanço do fundamentalismo cristão racista e misógino.

A denúncia do racismo religioso é uma agenda política histórica que vem sendo apresentada pelos terreiros, associações, redes e organizações de religião de matriz africana, como parte fundamental dos movimentos negros brasileiros.

Makota Valdina, importante liderança religiosa do candomblé de nação angola, na Bahia, certa vez disse a célebre frase: “Eu não quero que me tolerem, eu quero que me respeitem o direito de ter minha crença”. É o que nós, pessoas de axé, religiosos do candomblé e umbanda, cidadãos de direito da nação brasileira exigimos!

O país que se declara laico segue omisso diante das violências e violações que atravessam os princípios constitucionais, bem como, a história e memória negra-africana.

O terreiro está sendo reconstruído por meio de doações. Colabore como puder com o Terreiro das Salinas através da chave pix: terreirosalinas@gmail.com ou acesse o link da vaquinha na bio do @terreiroSalinas. Compartilhe esse post e amplie a nossa rede de apoio e resistência. 

Não vamos nos calar!

Exigimos respeito, justiça e apoio ao Terreiro das Salinas!

Compartilhe essa notícia:

Deixar uma resposta